Plano de ação

Veja também: Gerenciamento de tempo

O planejamento de ação é o processo de transformar sua estratégia e objetivos em ação. Pegando suas ideias e planejando como torná-las realidade.

Em outras palavras, o planejamento da ação é determinar o que exatamente você precisa fazer para chegar onde deseja. Se essas são metas pessoais ou organizacionais, não importa, pois as habilidades necessárias são as mesmas.



As melhores estratégias, seja para a vida ou para o trabalho, incluem o planejamento de ações como parte do pensamento estratégico. Afinal, não importa quão boa seja sua estratégia no papel, se você não puder implementá-la. Portanto, o planejamento da ação deve ser uma parte crucial da estratégia. Mas muitas vezes não é.




A diferença entre estratégia e planejamento de ação

Muitas empresas parecem considerar a estratégia como uma espécie de exercício de ‘grande visão’, não vinculado de forma tangível à realidade. Mas assim fica a loucura.

A fim de garantir que a organização esteja 'alinhada', ou seja, que tudo e todos dentro dela estejam alinhados e trabalhando para a estratégia organizacional, todos na organização precisam ser capazes de explicar e entender exatamente como o que eles fazem se encaixa a estratégia geral.



Isso só pode ser alcançado quando a organização e os líderes são muito claros sobre quais ações levarão a organização a atingir seus objetivos. Porque o que as pessoas fazem no dia-a-dia? Ações.

Nossa página: Habilidades de pensamento estratégico define como você pode criar um plano estratégico. A última etapa é identificar as ações necessárias para tornar seus planos uma realidade. Esta página fornece mais informações e ideias sobre como fazer isso.

todos os itens a seguir são maneiras pelas quais as mensagens não-verbais interagem com as mensagens verbais, exceto

Existem duas grandes questões a serem abordadas no planejamento de ação:




  • Que ações precisamos fazer para atingir os objetivos?
  • Que ações precisamos parar de fazer para atingir os objetivos?



Dividindo o plano de ação em etapas

Passo 1
Identifique as amplas ações necessárias para atingir cada um de seus marcos intermediários.

Isso é relativamente fácil. Mantenha as ações amplas nesta fase, em um nível de, por exemplo, ‘Criar plano de marketing’, ‘Recrutar equipe de vendas’ e assim por diante.

Passo 2
Divida cada ação ampla em tarefas menores

Nesta fase, você precisa entrar em mais detalhes. Talvez não no nível de ‘Escreva uma carta para x sobre y’, mas ‘Planeje e execute uma campanha de correspondência que irá transmitir essas mensagens-chave '.

etapa 3
Identifique quem vai assumir a responsabilidade por cada ação

Existe uma regra fácil aqui. Se você não consegue identificar um indivíduo, então você não está trabalhando com um nível de detalhamento suficiente nas tarefas ou não passou para um nível de responsabilidade de trabalho alto o suficiente.

Cada ação deve ter um dono responsável.

Não é necessariamente o trabalho dessa pessoa fazer essa tarefa, mas ela tem que assumir a responsabilidade por ela e ser capaz de explicar o progresso que foi feito, então ela tem que ser capaz de se envolver em detalhes suficientes. Sim, você poderia apenas identificar o membro do Conselho responsável pelo projeto, mas você precisa ser capaz de detalhar os detalhes por meio do proprietário responsável e saber que nada está sendo escondido. A menos que este seja um pequeno projeto que pode ser conduzido por uma pessoa sozinha, não ajuda muito ter uma única pessoa responsável por todas as tarefas.

Esta é uma abordagem pragmática para permitir que você acompanhe o progresso, então você precisa adotar uma abordagem pragmática para identificar os responsáveis: eles precisam saber o que está acontecendo no dia a dia.

Passo 4
Descubra o que pode dar errado e alguns planos de contingência

Essa etapa costuma ser chamada de Gerenciamento de riscos e é uma área inteira em si.

Veja nossa pagina Gerenciamento de riscos Para maiores informações.

Fundamentalmente, você ou, mais provavelmente, o proprietário responsável por cada ação, precisa dar uma olhada na questão ' O que poderia dar errado? ’. Você ou eles precisam então descobrir a probabilidade de isso acontecer e o quão catastrófico seria se acontecesse. Depois de fazer isso, eles precisam agir para tornar os eventos mais prováveis ​​e / ou catastróficos menos prováveis ​​ou catastróficos - ou ambos.

Etapa 5
Dê uma boa olhada no que mais está acontecendo na organização e se isso está contribuindo para a estratégia.

Isso é surpreendentemente difícil de fazer. As áreas que não estão contribuindo para a estratégia geral, ou na melhor das hipóteses são uma espécie de retrocesso, geralmente estão bem cientes desse fato e também do perigo para seus empregos criado por essa situação. Eles, portanto, sairão de seu caminho para ocultar a posição de qualquer outra pessoa, geralmente usando linguagem de alta tecnologia ou jargão de gerenciamento. Diz-se que um ex-chanceler do Tesouro americano adotou uma abordagem inovadora para esse tipo de ofuscação. Se seus colegas ministeriais não pudessem explicar rápida e simplesmente o que um orçamento deveria fazer, ele era imediatamente removido do balanço daquele departamento e devolvido ao Tesouro.

Da mesma forma, uma ferramenta útil para cortar o jargão é exigir o 'argumento de venda'. Peça a cada departamento ou equipe para lhe dizer, antes de o elevador chegar ao último andar, o que exatamente eles fazem e como isso contribui para a estratégia geral da organização. Waffling não é uma opção com apenas trinta segundos para explicar. Se a resposta não for aceitável, então você tem uma escolha: interrompa o trabalho ou ature-o.

Etapa 6
Pare as ações e áreas que não estão contribuindo para a estratégia ou a estão prejudicando ativamente.

Talvez menos surpreendente agora que você leu a seção anterior, este pode ser um dos elementos mais difíceis do planejamento de ação. Parar algo que ganhou impulso costuma ser muito difícil. As pessoas se comprometem emocionalmente com isso e também investem muito em ser o especialista organizacional nessa área. Portanto, isso não é algo para se empreender levianamente. Pode ser melhor focar nas áreas, se houver, que estão prejudicando ativamente a estratégia, em vez de simplesmente não contribuir.

Pare o trabalho desnecessário


Parar o trabalho que não está contribuindo para os resultados estratégicos desejados pode ser mais fácil de alcançar se você tiver envolvido a maior parte ou toda a organização na estratégia e no planejamento de ações.

Nesse caso, as áreas problemáticas ficarão claras para todos e uma mudança de enfoque pode ser discutida abertamente. Parar o trabalho só se torna um problema real quando a estratégia foi traçada a portas fechadas por um 'poucos escolhidos', e todos os outros sentem que foi imposta.

Um bom planejamento e pensamento estratégico podem evitar esse problema, bem como aproveitar todos os recursos ao seu dispor.


Conclusão

No trabalho e na vida em geral, é mais fácil ver o progresso se você puder dividir as tarefas em partes mais gerenciáveis.

O objetivo do seu planejamento de ação deve ser identificar essas partes gerenciáveis ​​e quem vai executá-las e, em seguida, alocar a ação.

A parte final do seu planejamento de ação deve, é claro, ser o monitoramento contínuo do progresso em relação aos resultados e produtos desejados. Afinal, um plano de ação é tão bom quanto o trabalho que realiza.

Continua a:
Gerenciamento de riscos
Gerenciamento de projetos